Santa Cruz
Reservas Ambientais
SOS  Meio Ambiente
Rio Piraqueaçu
Fotos Rio
Histórias
Imigração Italiana
Aldeias Indígenas
Expo Arte e Poesia
Links Favoritos
 


Em Santa Cruz, no litoral norte do Estado do Espírito Santo, o encontro das águas do Rio Piraquê-Açu e Piraquê-Mirim com as águas do mar, formam um grande complexo costeiro-estuário, margeado por uma das maiores áreas de manguezal da América Latina, abrindo em uma extensa barra de rara beleza e com uma rica biodiversidade.

É comum ao longo de toda essa região, a ocorrência de couraças calcárias (rochas sintetizadas por pequenos animais a partir de CaCO3, extraído da água, com características muito semelhantes aos corais,) as quais se agrupam próximas a ambientes estuarinos, formando enseadas e remansos, abrigando uma imensa variedade de formas marinhas, que delas dependem como local de alimentação, reprodução e crescimento.

As tartarugas que desovam em Comboios - Projeto Tamar - aí o fazem devido a extensa faixa de arrecifes, existentes na região de Santa Cruz, utilizada como principal área de alimentação.

A área de litoral em mar aberto, naquela região, constitui-se como uma das principais zonas pesqueiras do país, estando pois esta produção de pescado instrinsicamente relacionada à preservação dessa zona de arrecifes litorâneos, como é conhecida.

A riqueza do nosso litoral também é responsável por sediar campeonatos internacionais de pesca oceânica.


A região é utilizada como área de abrigo e local de alimentação e reprodução da Sotalia fluviatilis . Grupos compostos em média por 6 indivíduos desta espécie , da variedade marinha, são diariamente avistados em locais próximos as coordenadas 40°06’60” W/ 19°57’00” S, na entrada da barra do Rio Piraquê-Açu.

Dependendo de fatores bioecológicos que precisam ser mais bem abservados, tais como, nível da maré, condições climáticas, concentração sazonal de presas, trânsito de embarcações, dentre outros, é comum o avistamento de grupos variando de 2 a 6 indivíduos que adentram aquele estuário, alguns Kms acima, exibindo comportamentos de acasamento e estratégias de pesca, próximo às margens.

Este comportamento da espécie subir o rio é relatado pelos mais antigos moradores da localidade, incluindo nativos indígenas que habitam as margens do Rio Piraquê-Açu, que atestam a ocorrência dos "Botos" na região, desde tempos remotos, cultivando uma antiga admiração e respeito para com esses cetáceos, como se fossem animais cativos, chegando até mesmo a reconhecê-los individualmente.(texto extraído da proposta do Projeto Boto Marinho, de autoria de Lupércio Araújo Barbosa - Instituto Organização Consciência Ambiental - ORCA ).

NÃO DEIXE DE VISITAR OS ENDEREÇOS A SEGUIR:

O blog ES-Ecologia  exibirá uma pro­dução e edição audio­vi­sual no for­mato vídeo jor­nal­ismo para infor­mar as poten­cial­i­dades ambi­en­tais do estado do Espírito Santo. O obje­tivo é tra­bal­har com os temas:Sus­tentabil­i­dade, Pesquisas Cien­tí­fi­cas e Eco­tur­ismo e fazer com que as pes­soas se man­i­festem com opiniões, além de servir como fonte de pesquisa para estu­dantes e pes­soas inter­es­sadas em pro­gra­mas ambi­en­tais.
A pro­gra­mação visa com os temas mostrar as ativi­dades ecológ­i­cas, tais como ações sus­ten­táveis, pro­je­tos de preser­vação e con­sci­en­ti­za­ção, denún­cias e pesquisas e esportes rela­ciona­dos ao meio ambi­ente. 
O blog ES-Ecologia será atu­al­izado todas às terças-feiras e a pro­dução terá entre suas atribuições as de apu­rar, entre­vis­tar, fil­mar, fotogra­far, edi­tar, tex­tu­alizar e postar as ativi­dades real­izadas.
Arti­gos tam­bém serão posta­dos a qual­quer dia da sem­ana por profis­sion­ais qual­i­fi­ca­dos como pro­fes­sores, mestres, doutores e out­ros que sejam capac­i­ta­dos para com­ple­men­tar as infor­mações que darão todo o suporte necessário ao con­teúdo edi­to­r­ial.

SEGUE ENDEREÇO:

http://esecologia.com.br/s/index.php/29-o-rio-piraque-acu-1-edicao

http://esecologia.com.br/s/index.php/30-o-rio-piraque-acu-2-edicao

http://esecologia.com.br/s/index.php/31-o-rio-piraque-acu-3-edicao

TAMBÉM PESQUISAR:

http://www.almadorio.org.br/institutoorca.htm

http://institutoorca.blogspot.com/2008/06/atividades-do-instituto-orca.html

VOLTAR À PÁGINA PRINCIPAL

 
Top