Santa Cruz
Reservas Ambientais
SOS  Meio Ambiente
Rio Piraqueaçu
Histórias
Imigração Italiana
Aldeias Indígenas
Expo Arte e Poesia
Poesia
Links Aquarelas
Aquarelas de Walewska
Links Favoritos
 



EXPOSIÇÃO l´UNIVERS BRÉSILIEN 2011

DA ARTISTA ISABEL CRISTINA ROBERT´S

VERNISSAGE LE 19 MAI 2011 À 20 HEURES

8, RUE D´ARGENSON, 75008, PARIS





AQUARELANDO VITÓRIA - NONA ROSTAGNO E CONVIDADOS

DE 21 DE SETEMBRO A 17 DE DEZEMBRO, NA GALERIA VIRGÍNIA TAMANINI, DAS 13 AS 17 HORAS.

CIDADE ALTA, VITÓRIA, AO LADO DO PALÁCIO ANCHIETA





EXPOSIÇÃO COLETIVA DO GRUPO ARTE, coordenado por Nona Rostagno. Desenhos e pinturas, originais e prints.

ABERTURA 19 DE OUTUBRO AS 19 HORAS.  FICA ABERTA DE SEGUNDA A SEXTA (EXCETO FERIADOS) , DE 20 DE OUTUBRO A 5 DE NOVEMBRO DE 2010. RUA SETE DE SETEMBRO, 135, VILA VELHA - PRÓXIMO A PRACINHA DA PREFEITURA





Exposição aquarelas - 14 de junho a 14 de julho 2010 na Aliança Francesa






Exposição da artista ISABEL ROBERT'S - RETRATOS DA ÍNDIA

Aconteceu de 18 de março a 5 de abril de 2009 no Shopping Barra Point - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.

Atualmente a exposição está em Los Angeles - EUA

Em maio de 2010 exposição no Vaticano








POESIA

Passeando pela rede...


 ....de Iuri Mori Vieira

"A poesia é sempre necessária no tecido da vida, principalmente em um mundo cada vez mais racional e amante da fria comunicação virtual. Ela nos torna mais apaixonados, mais interessantes, autênticos. Vejo a poesia nos tempos atuais como a flor que brota na rocha.
            “Acompanha-me, poesia”, de título instigante, inicia o autor no árduo, mas fascinante, mundo da literatura, com uma linguagem ora simples, ora rebuscada, mas de tocante sinceridade e profundidade.
            Iuri Mori Vieira nasceu em Vitória no dia 5 de julho de 1989. Filho caçula de uma família de três irmãos, expressou sua tendência poética de forma surpreendente e admirável para seus pais, irmãos, professores e colegas. Está concluindo o terceiro ano do segundo grau no Centro Educacional Leonardo Da Vinci e pretende ingressar no curso de Publicidade e Propaganda.
            O prefácio foi solicitado, como uma homenagem, ao professor de Literatura do CELV, Luiz Henrique Menezes, que nos brindou com um texto de inefável delicadeza e cumplicidade.
            O nascimento do livro não obedeceu a uma ordem cronológica, nem a uma finalidade pré-estabelecida. Foi criado de forma espontânea, sutil, como muitas obras de arte que brotam de seus autores nos momentos de extrema sensibilidade e transcendência.
Por isto, destina-se a todas as pessoas sintonizadas com aquele foco da vida que nos faz essencialmente humanos". Escreveu Adilson Dias Vieira, em dezembro de 2007.

Conheça a comunidade no orkut destinada a homenagear o autor Iuri Mori Vieira e a divulgar seu livro. Endereço :

http://www.orkut.com.br/Community.aspx?cmm=42955069


PREFÁCIO LIVRO

Carta aos puros,

           Caro Iuri, li seus poemas e gostei muito. Como diria o Herbert Viana, o poeta é a pimenta do planeta. Quando vejo um jovem como você se dedicando à milenar arte do verso fico feliz e surpreso! Uma grata surpresa, diga-se de passagem. Num mundo cada vez mais robotizado, mecanizado, onde as relações humanas tendem a se tornar superficiais e frias, a literatura, como a arte em geral, tem um papel a desempenhar. A boa literatura tem a capacidade de nos fornecer a senha para penetrar no mundo dos homens porque somos provocados a nos colocar no lugar do outro. E como nós precisamos desse exercício de alteridade! Individualistas e egoístas que somos, tal exercício pode ser o caminho para um mundo mais solidário.

            Certa vez li um autor dizer que apesar de a literatura ser absolutamente dispensável na vida das pessoas, ela seria, também, um daqueles atributos que fazem com que a vida mereça ser vivida. Em outras palavras, a literatura é aquele algo mais que nos reconcilia com a nossa própria humanidade. Diante disso, devemos nos perguntar: qual é o papel da poesia nos nossos dias?

            José Guilherme Merquior, um dos maiores intelectuais brasileiro da segunda metade do século passado, propõe uma resposta: ele afirma que a contemplação estética é, por natureza, um processo que coloca para o observador uma experiência de dificuldades, em outras palavras, a arte, necessariamente, propõe uma decifração que requer um esforço intelectual por parte do observador. A volúpia da contemplação estética “tem um preço, que é o enfrentamento de dificuldades perceptivas muito mais numerosas do que as da visão pragmática.”[1] 

             Sua poesia, Iuri, propõe belas imagens para a nossa apreciação estética. Gosto muito do poema “Fotografia”, que traz, de maneira muito adequada, a junção de duas artes: a imagem e a grafia. Digno de nota também é o leitmotiv do livro: as flores. São muitos os textos cuja metáfora central é a flor, numa clara alusão à mulher amada, ao universo feminino. Outra característica recorrente são os textos metalingüísticos, em que sempre aparece a figura do poeta à procura da melhor forma de expressão. Convido o leitor a saborear o ritmo dessa bela estrofe: “E o jovem poeta, dentre rosas e círios, / Avançou por dentro do arco de lírios, / Com o cetro do lirismo em mãos”, esse último verso sendo um primor, por condensar, de maneira muito feliz, ritmo e imagem (“Soneto do velho e dos lírios”).

            A poesia aparece ora como consolação, como é o caso do “Soneto do revigoramento”, ora como busca de uma “mulher futura” (“Soneto do porvir”, um dos mais belos textos do livro!). Emocionantes são os textos marcados pela gratidão e reverência (“Soneto ao homem maior” e “Poema à minha mãe”), e o “Soneto às nossas flores”, com estes surpreendentes versos sensuais:

 

                                Ver-te enfim tornar-te assim, o mais belo lírio

                                Com tua carne de sol, rubra e mel.

                                Onde debruçam agora meus castigos de lírico

                                Por versos calados e face com véu.

                    

            Enfim, sem mais delongas, gostaria de convidar o leitor a desfrutar da contemplação poética que nos propõe Iuri. Será, com certeza, um exercício prazeroso. Vida longa ao nosso poeta!

                                                            Luiz Henrique Menezes
[1]  MERQUIOR, José Guilherme. Formalismo e tradição moderna: o problema da arte na crise da cultura. Rio de Janeiro, Forense-Universitária; São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1974, p. 12.

Ver poemas, sonetos do livro de Iuri Mori Vieira

O Livro "Acompanhe-me poesia " está a venda na livraria Logus, em Vitória ES, ao preço de R$ 20,00, ou pedidos pelo email graodeareia.wsm@graodeareia.com.br

 











 
Top